Lançamento do livro e da exposição “CONDE”

Conde marcou os bairros do Jd.João 23, Jd.Uirapuru, Jd.Arpoador e Cohab Educandário, onde cresceu órfão de pai e de mãe e espraiou por vielas e ladeiras a boniteza e o ardido dos seus quadros, murais e esculturas. Pintor e ativista, foi fundador da Associação dos Artistas e Artesãos do Jardim Arpoador e fez dos barracos onde morou ateliês abertos, onde recebia a juventude pra tintar, musicar e modelar.
Suas dezenas de quadros e grafites cavucaram o imaginário, as estripulias, sanhas e senhas do povo preto e favelado, além de salientar a presença das culturas indígenas, entre a tragédia e a ternura, mesclando realismo e fantasia nas suas figuras, retratos e viagens.
Recolher a obra de Conde, em livro, pretende rasgar e adoçar caminhos pra que a obra desse mano chegue ao povo, aos museus, catálogos, bibliotecas, escolas e ganhe realce dentro das linhagens das artes plásticas negras brasileiras.
O livro traz escritos alguns poemas e reflexões do artista, mais textos de JPR (que enfatiza a passagem de Conde pelas quebradas da zona oeste e cita influências cotidianas e ancestrais da sua obra) e de Marcelo D´Salete ( que, como artista plástico e estudioso, detalha elementos da originalidade do trabalho de Conde)
O lançamento do livro e da exposição de quadros, conta também com a magnética e retumbante música e dança do BALLET AFRO KOTEBAN (que pesquisa seriamente, ressoa e balança nas tradições da Guiné), os versos de Akins Kinte e Allan da Rosa, o acordeon de Aline Reis, as fotografias de Guma e a exposição dos instrumentos percussivos, artesanais, confeccionados pelo Ateliê Ilu Mina.
É SÓ CHEGAR
SÁBADO, 09 DE AGOSTO, DAS 18HS ÀS 21H30
NA CASA DE CULTURA DO BUTANTÃ – Av. Junta Mizumoto, 13 – Jd.Peri Peri – 3742-6218

Pra quem vem do Taboão/Embu/Capão/Campo Limpo: Pegar, a partir do Largo do Taboão, da Avenida Campo Limpo ou da BR 116, a Avenida Eliseu de Almeida até o número 2.500, virar à esquerda na Rua Iauaretê. Chega de frente à Casa de Cultura do Butantã.
Pra quem vem da Zona Norte, Leste, Centro ou outras bandas da Sul: Qualquer ônibus que pegue a Rebouças e passe na Avenida Francisco Morato, onde deve se desembarcar na altura do n° 3.365 e entrar na Rua Cânio Rizzo, atravessar a Avenida Eliseu de Almeida e chegar na Rua Iauaretê.

Pra quem vem da rodovia Raposo Tavares, do Jardim João 23, Arpoador, Uirapuru e Educandário: Pegar qualquer ônibus sentido centro e descer no Peri Peri, na altura do corpo de Bombeiros e do Posto de Saúde, virar na Avenida Laudo Ferreira de Camargo e caminhar até à travessa da Avenida Junta Mizumoto.

Um comentário:

Dante disse...

A obra do Conde encanta, é essa a palavra que resume meu primeiro contato ao ver a exposição. Seus quadros possuem a força que o conecta aos grandes mestres, de quem sabe por meio de cores, textura, de composições e simbolos nos tirar do comum e nos fazer encontrar algo superior.
É uma honra ver uma obra tão bela sendo resgatada e que ela esteja em breve acessível à população como exemplo de um mestre da pintura, que dignifica e coloca o artista negro brasileiro no mais alto patamar.