O CENTENÁRIO DE ADONIRAN BARBOSA

SESC VILA MARIANA REÚNE MÚSICOS PARA HOMENAGEAR O CENTENÁRIO DE ADONIRAN BARBOSA

O show terá a presença de Maria Alcina, Virgínia Rosa, Cristina Buarque, Oswaldinho da Cuíca, Márcia Castro, Patty Ascher e Verônica Ferriani. Dias 23, 24 e 25/01.

Na semana do aniversário da cidade de São Paulo, Adoniran Barbosa (1910-1982), um ícone da música paulista, ganha uma homenagem no Teatro do SESC Vila Mariana. Maria Alcina, Virgínia Rosa, Cristina Buarque, Oswaldinho da Cuíca e Márcia Castro apresentam um espetáculo inédito com músicas do compositor.


O show traz o repertório do CD Adoniran - 100 Anos, em fase de gravação e com previsão de lançamento para março deste ano pela gravadora Lua Music. O álbum também contará com as participações de Zélia Duncan, Arnaldo Antunes, Martinália, Wanderléa, Beth Carvalho, Jair Rodrigues e Leci Brandão.


Nos dois primeiros dias de show, o palco será ocupado por Maria Alcina, Virgínia Rosa, Osvaldinho da Cuíca, Marcia Castro e Cristina Buarque, que cantam pérolas como Saudosa Maloca, Agüenta Mão João, Abrigo dos Vagabundos, Bom Dia Tristeza, Samba do Arnesto e Tiro ao Álvaro.


No dia 25, o grupo recebe as cantoras Patty Ascher e Veronica Ferriani para uma participação especial. No repertório, as também clássicas Mãe, Eu Juro, Joga a Chave e Trem das Onze.


O show tem direção geral e roteiro de Thiago Marques Luiz e conta com uma banda formada por Rovilson Pascoal (direção musical, arranjos e violão), André Bedurê (baixo), Gustavo Souza (bateria), Miltinho Mori (Bandolim e Violão 7 Cordas), Lucky Barros (cavaquinho) e Binho Siqueira (percussão).

Adoniran Barbosa (1910-1982)

Nascido em Valinhos, no Estado de São Paulo, Adoniran Barbosa foi tecelão, pintor, serralheiro e garçom. Aos 22 anos, mudou-se para São Paulo, passou a compor canções e a participar de programas de calouros e de rádios. Em 1941 foi para a Rádio Record, onde fez humorismo e rádio-teatro, e só sairia com a aposentadoria, em 1972. Foi lá que criou tipos irreverentes como Pernafina e Jean Rubinet. Adoniran também participou de diversos filmes como Pif-Pa (1945), O Cangaceiro (1953) e Elas São do Baralho (1977) e trabalhou como ator nas primeiras telenovelas da TV Tupi, como A Pensão de D. Isaura. Em 1955 estreou o personagem Charutinho, seu maior sucesso na rádio, no programa História das Malocas, de Oswaldo Molles. O reconhecimento, porém, veio somente em 1973, quando gravou seu disco de estreia e passou a ser respeitado como renomado compositor paulista. Com diversos álbuns lançados e dezenas de composições interpretadas por artistas como Elis Regina e Demônios da Garoa, Adoniran Barbosa deflagrou São Paulo em sua diversidade cultural, com molejo, crítica e muita poesia.

ADONIRAN BARBOSA - 100 ANOS
Dias 23, 24 e 25/01/2010
Sábado, às 21h; domingo e segunda, às 18h.R$ 30,00 (inteira); R$ 15,00 (usuário inscrito no SESC, +60 anos, estudante e professor da rede pública de ensino). R$ 7,50 (trabalhador no comércio de bens e serviços matriculado no SESC e dependentes)
Teatro (608 lugares)
Duração: 90 minutosAcesso a pessoas com deficiência
Não recomendado para menores de 12 anosEstacionamento: a partir de R$ 5,00

SESC Vila MarianaRua Pelotas, 141
Informações: 5080-3000
http://www.sescsp.org.br/
0800 11 8220

Um comentário:

Pedro Luiz disse...

Acho essa foto incrível - http://migre.me/jNSq, que bom que muitas pessoas estão se lembrando do centenário do mestre do samba paulistano!